BLOG

A mãe ideal: qual é a fórmula 02?

A mãe ideal: qual é a fórmula 02?

Existe mãe ideal? Existe fórmula para ser uma mãe ideal? Mas o que é mesmo ser uma mãe ideal? Que maravilha seria se pudéssemos ter uma resposta definitiva para essas indagações. É verdade que quando estávamos com um “ser ainda sem forma” em nosso útero ou em nosso coração, em nosso ser, nós imaginamos como seríamos aquela mãe perfeita, que faríamos o melhor para nossos filhos e que não faríamos uma lista enorme de coisas que não consideramos que foram boas nas atitudes de nossas mães ou de mães que conhecíamos...
 
Ainda hoje, imaginamos e queremos o melhor para nossos filhos...independente da idade e das próprias escolhas que eles fizeram. Mas melhor para quem? Quanta pergunta: Onde foi que errei? Como fazer para ele ou ela ser mais doce? Por que meu filho ou filha é assim? As perguntas nos movem a entender que há perguntas sem respostas exatas, sem fórmulas escritas, o que funcionou bem com o primeiro filho nem sempre funcionará da mesma forma com o segundo, pois no imaginário do idealismo, esquecemos que somos SERES HUMANOS. Mães e filhos são seres humanos e com esse pressuposto entendemos que erramos e que devemos aceitar o erro sem julgamento, mas com direcionamento.
 
Não tenho uma fórmula: lamento te decepcionar. Mas tenho algumas dicas que você pode considerar, para ser uma mãe melhor:
 
  • Aceite a humanidade da maternidade (perdoe sua mãe) e entenda que comete erros (peça perdão sempre que errar);
 
 
  • Pare de ser refém do sentimento de culpa. Assuma suas limitações e defina um plano de ação para ajustar a educação familiar. Isso precisa ser intencional;
 
 
  • Ame a si mesma (seja inteira) e ame seu filho ou filha por inteiro. Pare de reclamar pelo que falta e seja grata pelo que existe;
 
 
  • Valorize o “ser”, a pessoa, mais que o comportamento. Trate o comportamento, sabendo que ele é na maioria das vezes resultados de hábitos. Considere os seus hábitos e os hábitos de seus filhos e reoriente quando necessário;
 
 
  • Lembre que o que você faz, fala mais alto do que o que você diz. Ele só acredita que é amado, quando há investimento de tempo para brincar e estar com ele (inteira);
 
 
  • Dependa do Autor da Vida diante das limitações humanas e ensine seu filho ou filha a ser uma pessoa de valores para o bem;
 
 
  • Demonstre com suas atitudes que “ser” é mais importante do que “ter” ou “fazer”;
 
 
  • Lembre-se da transitoriedade da vida. A vida não volta, não permite ensaios... estar presente hoje, ser presente hoje;
 
 
Não podemos garantir o que nossos filhos serão ou farão, mas podemos ter a convicção de que fomos as melhores mães e que deixamos marcas de amor, valorização e aceitação na vida deles. Marcas que farão toda a diferença.
 
Que Deus nos ilumine e nos fortaleça.
 
 
 
Edileide Castro